Lição 8 – Ética Cristã e Sexualidade
14 de maio de 2018
Chamados para fazer a sua parte
16 de maio de 2018
Exibir tudo

 

Salmos 27:1-8

Davi trata de algo que constantemente perturba o nosso coração, o medo. Não há ninguém que não sinta ou que não tenha sentido medo. Alguns são medos particulares, circunstanciais ou que nos assaltam de acordo com determinadas épocas da vida. Vivemos em um tempo em que também existem os medos coletivos e eles são a cada dia mais acrescentados através das notícias no jornal, por exemplo. Esse sentimento de insegurança é algo que está permeado em nossa sociedade. É um quadro que aponta para a volta de Cristo, como Ele mesmo disse a respeito dos sinais da sua vinda “os homens desmaiarão de terror” (Lc 21:26).

O salmista escreveu acerca do triunfo sobre o medo, que é algo que precisamos buscar em Deus. Sentir temor é normal, mas ele não pode nos dominar. Existem pessoas que estão sendo dominadas por temores. As trevas nos assustam, mas o Senhor é a nossa Luz. A perdição é algo que nos assusta, mas o Senhor é a nossa salvação. O Senhor é a fortaleza da nossa vida. Não precisamos ter medo.

Davi falou sobre três tipos de “pessoas” ou situações contra as quais lutamos:

  1. Malfeitores. São aqueles que estão preocupados apenas em fazer o mal. Não há uma vítima específica, eles tem o prazer no medo.
  2. Opressores. O objetivo destes não é a destruição, é causar pânico e terror. É amedrontar e encurralar, deixando alguém em uma situação complexa.
  3. Inimigos. Tem uma vítima específica.

Mas Davi escreve: Quando malfeitores me sobrevêm para me destruir, meus opressores e inimigos, eles é que tropeçam e caem (Sm 27:2).

Você já experimentou a sensação de que parece que tudo está contra você? Não encontramos um ambiente em que nos sentimos seguros. Davi disse que mesmo que uma guerra se virasse toda contra ele, ainda assim ele confiaria no Senhor. De onde vinha toda essa certeza e confiança? No versículo 4 deste texto, Davi não pediu para se esconder até que os inimigos fossem embora, ou até que a perseguição passasse. O segredo para ser tão confiante é que a casa do Senhor não era um refúgio para ele, mas era moradia para todos os dias. Quando decidimos morar na presença de Deus todos os dias, não somos nós que nos escondemos no dia da angústia, mas Ele nos acolherá.

O problema é que nós moramos fora e muitas vezes nos relacionamos com Deus de maneira superficial e enxergamos a presença dele como um esconderijo apenas para o momento da crise. Viver uma vida de comunhão com Deus não nos livrará do dia mau, mas Deus nos esconderá nesse dia e não precisaremos nos preocupar em se esconder.

Quando a tribulação vem, Deus nos leva para outro lugar, e aí crescemos em paciência, experiência e esperança. Essa mudança de estágio se dá quando estamos próximos de Deus. Como viver livre desses terrores que nos assaltam? A solução está em ter o Senhor como habitação constante. O que nos motiva a estar diante de Deus? Que seja para contemplar a beleza do Senhor, para aprender dEle, para buscar sua presença e meditar no seu templo. Quando estamos no lugar certo e com a motivação certa, o Senhor nos exalta diante dos inimigos.

Quando ouvir a voz de Deus dizendo para buscar a sua presença, busque-a de forma imediata. Não perca o chamado de Deus, porque podem ser oportunidades que não vão voltar. Esteja aberto para respostas rápidas ao que Deus vai dizer para você.

Deus, quero viver uma vida sem medo. Que em meio a um cenário de caos, eu possa ter paz. Quero morar em sua casa, estar em sua presença e ouvir a sua voz. Amém.

 

 

Jodson Gomes

Pastor da Assembleia de Deus