Esteja aberto para as mudanças de Deus
22 de junho de 2019
Ele há de nos fazer profetas
24 de junho de 2019

 

Salmos 22:1-5

O livro de Salmos tem uma peculiaridade: a maneira como foi escrito. Diferente dos outros livros da Bíblia, o homem é quem se comunica com Deus. Muitos dos capítulos falam de exultação, porém outros falam sobre sentimentos negativos, como neste Salmo. O discurso do salmista para Deus expressa sentimento de abandono divino, afastamento e a sensação de que Deus não ouvia o seu clamor. De dia, ele não era respondido, e de noite tinha insônia.

Sensações como essas são experimentadas até por pessoas que caminham ao lado de Deus. Jesus foi enfático ao dizer “no mundo tereis aflições”. O próprio Jesus, no Getsêmani, experimentou essa situação quando disse “Meu Deus, Meu Deus. Por que me desamparaste?”. O salmista diz “eu orei de dia e de noite”. Não é por falta de oração ou de disposição, e sim um processo de Deus. Então o que fazer diante do silenciar divino?

1) “Tu, porém, és o Santo […]”. As minhas sensações temporárias não podem anular minhas convicções eternas. Por mais vulnerável e complicada que seja a situação, não devemos nos deixar ser vencidos pelo pecado.

2) “Contudo, Tu és Santo e entronizado”. O silêncio de Deus não muda Sua condição de Santidade e nossas crises temporárias não mudam a Sua posição. Deus é Pai e sabe seus limites, e ele sendo Pai, permite que nós caminhemos sozinhos às vezes.

3) “Entronizado sobre os louvores”. Existem momentos em que não há nada para ser dito, mas que de nós brote louvor, adoração e glorificação ao nome Dele. Ele não resiste a um louvor de um coração quebrantado e contrito. Hoje, podemos não encontrar nenhum motivo, mas Deus tem nos sustentado até aqui.

4) “Em Ti confiaram nossos pais”. Eu preciso, na hora do silêncio de Deus, procurar uma referência de vitória, e não referências negativas. O salmista pôs como referência seus pais; viu que eles confiaram em Deus e Ele os livrou. Nosso Deus foi o mesmo ontem, é hoje e será eternamente.

Em Isaías 59, o profeta diz sobre braços e ouvidos. Ainda que Deus não esteja falando, Ele ouve e age. No início, o salmista estava cabisbaixo, mas terminou confiante. Que possamos trazer a memória tudo o que Ele fez por nós e saber que Ele continua sendo o mesmo.

Oração: “Senhor, encha meu coração de fé. Que eu possa lembrar que Tu és o mesmo hoje, o que foi ontem, e assim será para sempre. Que eu entenda que Tu podes estar em silêncio, mas estás agindo em meu favor. Tua mão está estendida e sei que irás agir em minha vida.”

 

Jodson Gomes

Pastor da Assembleia de Deus.

X